SERÁ QUE ISSO PASSA?

 

SERÁ QUE ISSO PASSA?


Geraldo de Azevedo


Ela chega de mansinho, é malvada, e traiçoeira, se apossa, não quer mais ir embora, convivi muito tempo com ela, quase dois anos, e hoje ainda se faz presente esporadicamente, mas como já a conheço bem, quando ela chega eu a reconheço logo, e consigo neutralizar um pouco os seus danos.
Não, não estou falando de nenhuma mulher, e sim da famigerada depressão. Eu tinha apenas 18 anos, e quando eu era acometido por ela, não queria saber de nada, me isolava de todos e me desligava de tudo, todos os meus anseios eram esquecidos, não havia motivação nem objetivos na vida, somente solidão angustiante.

Nada na vida era importante para mim, nem mesmo as pessoas que eu amava. O convívio social era rejeitado, e os pensamentos ficavam confusos, o peso enorme no peito, a vontade de chorar, se alguém se aproximasse perguntando o que estava acontecendo, recebia como resposta apenas gestos silenciosos de sim ou não.

Sabia que alguma coisa não estava certa comigo, e num esforço sobre humano muitas vezes conseguia me recuperar, e muitas vezes essas crises vinham durante as horas de trabalho, fechava-me em minha saleta longe de tudo e de todos até que a tempestade violenta terminasse.

Não sentia as horas nem minutos passarem, nada conseguia fazer, tudo em volta girava como se o mundo todo estivesse girando em volta de mim. A depressão é uma doença que muitos tem, pode atacar um amigo, um parente e principalmente um adolescente, quando ocorre numa família, todos tentam e inventam um modo de amainar o sofrimento da pessoa.

Mas isso não ocorria comigo, eu era praticamente só morando com uma velha tia que pouco sabia o que estava acontecendo comigo principalmente porque nestes momentos eu me isolava. Minha mãe morava em outro município e eu não podia ficar com ela, precisava trabalhar.

Minha tia entrava no quarto, desconfiava que alguma coisa não estava bem, perguntava, eu respondia com aceno de que estava tudo bem, colocava a mão na minha testa, nenhuma febre, me cobria e saia do quarto desanimada, sem saber o que fazer. A dor causada pela depressão e pela ansiedade é diferente de uma dor de cabeça ou de uma dor decorrente, por exemplo, de um queda: ela dói, lá no fundo da alma.

Procurei o médico no trabalho que me receitou um calmante antidepressivo tomei-o regularmente e as crises foram diminuindo e minha tristeza deu lugar a antiga alegria de viver, mas uma vez ou outra quando eu relaxava a vigilância, lá vinha ela de novo sorrateira, embora com menor intensidade.
descobri que para evitá-la precisava manter sempre os pensamentos em ordem, muita atividade, distrações e boa leitura.

COMO SABER SE VOCÊ ESTÁ COM DEPRESSÃO?

Tristeza persistente
Ansiedade ou sensação de vazio
Sentimentos de culpa , inutilidade e desamparo
Perda de interesse ou prazer
Insônia , despertar matinal precoce
Sonolência excessiva
Perda de apetite e / ou peso
Excesso de apetite e ganho de peso
Diminuição da energia , fadiga
Idéias de morte ou suicídio
Inquietação , irritabilidade
Dificuldade para concentrar-se e decidir
Sintomas físicos persistentes sem diagnóstico

Após essa lista você logo vai dizer: " Ha! estou com depressão!!!"

O fato de você estar com qualquer um ou mais desses sintomas , necessariamente não quer dizer que você esteja com a depressão . Pode ser outra doença , ou algum distúrbio orgânico passageiro, ou ainda questões de natureza espiritual...
O melhor a fazer é ir logo ao médico.

VOLTAR